A minha Mente apresenta de momento:

 
 
 
 
   
 

<< March 2005 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02 03 04 05
06 07 08 09 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31
 
Alguns Links Para Aqui
 
 
Alguns Links Daqui
 




 

March 25, 2005

Um acordar

  Apesar de tudo, existiam coisas na sua vida que pareciam compensar as lágrimas passadas. Tinha ao seu redor fantasmas de pessoas que a estimavam e esse sentimento muitas vezes era a única ancora que conhecia. Mas nem sempre era assim. E era as mágoas que ela mais sentia e memorizava entre todo o amor.

 

  No silencio do seu apartamento, ela sentia os ponteiros do relógio a avançarem e sentia-se a recuar. Voltava até aquele triste dia em que tinha-se sentido um zero. Sentira-se assim porque se tinha iludido. Só porque alguns a tratavam como uma pessoa, isso não queria dizer que outros não a tratassem como nulo. “Não existe pior cego do que aquele que não quer ver” e ela fora assim. Hoje era precavida porque antes fora magoada.

 

  Naquela tarde tinha perdido o seu sorriso particular. Aquele sorriso que todos temos quando estamos entre amigos e nos sentimos seguros para dizer uma parvoíce e rir livremente. Desde aquele dia, tinha deixado de sorrir, mostrava os dentes e franzia o rosto. Mais nada. É difícil confiar quando se vive numa névoa de desconfiança. Naquele momento em que ouviu o que desejou não ter ouvido, o céu caiu-lhe aos pés. Os sorriso e palavras que lhe dirigiam eram afinal falsos. Pelas suas costas, gozavam e abusavam da sua inocente amizade. Ela percebera isso e naquela mesma tarde perdera a sua inocência.

 

  E depois? Quem é que nunca perdeu a confiança em alguém? Muitos. Mas nunca muitos foram ela.  Só ela sabe o quanto custa confiar e sentir-se fracassar. A falha não era deles. Eles tinham o direito de dizer o que quer que seja. Ser falsos. Mentira. Enganar. Iludir.. Ela é que se deixou acreditar. Mas nem todos são assim. Ela é que infelizmente deixou de confiar. Sentia as piadas, os olhares, os sorrisos e não sorria. Isso mata por dentro. Por dentro fechou-se. E foi devido a esse pequeno sonho perdido que ela deixou o emprego seguro e calmo naquele escritório.

 

  Hoje trabalha de noite. Dança para que homens se babem. Desprende-se da realidade de uma falsa verdade e prefere assim. Este mundo ela já entende, porque no meio da mentira existe alguma verdade. Nisso ela pode confiar e na realidade nem tudo é mau. As pessoas são reais e as meninas são simpáticas. Não tem que dar o corpo nem a alma, só tem que dançar e até o ar-condicionado de lá funciona. Hoje é uma stripper e não tem que sorrir.



08:49 pm - moon

  

Previous Entry Home Next Entry